escrever memórias

entre janeiro e fevereiro deste ano participei de uma série de encontros da oficina de escrita da memória, realizada pela querida Giselle Rocha no Museu da Pessoa.

depois da experiência de dividir memórias no círculo de histórias, todos redigem, todos editam. ao final, temos um livro, o qual ilustrei a capa.
lá estão histórias sobre a infância, a família, o amor e sobre ser.

meu texto, como microcontos nascem, conta de uma memória recente, uma memória que está ainda sendo desenhada e, espero, defina meu ser. meu ser-estar nesse espaço-tempo.

 

 

gilete na alma

e dessa vez a oficina de lambe aconteceu no Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes, com participantes do programa Jovens Urbanos. além de falar de expressão, arte de rua e identidade, cada jovem criou um lambe-lambe para divulgar seu projeto final – o dessa turma intitulado gilete na alma.

vou lá para ensinar mas quem aprende sou eu – e isso, definitivamente, não é um clichê.

expressão, cidade e identidade

esta semana estive no Jardim Lapenna, em São Miguel Paulista, para uma oficina de colagem e arte de rua com os educadores do programa Jovens Urbanos. este é um programa que propõe trabalhar processos de formação ampliada com a juventude e já foi reconhecido pelo MEC como exemplo de inovação e criatividade em tecnologia educacional.
até o fim do ano vão rolar outras oficinas, desta vez com os próprios jovens. e assim seguimos fortes e lutando com as armas  que nos cabem: imaginação, cultura e diálogo.

por uma cidade que tenha a nossa cara, avante.