crap noir na feira

paranoia, assombro, intriga.
e um punhado de sangue.
os filmes noir sempre foram simbólicos para Giovana.
sem muito delinear quando, ela começou a carregar para a fotografia, essa linguagem atemporal forjada na luz, o espírito da sombra noir.
noir é seu cacoete preferido, talvez.
tanto que me contaminou para emprestar palavras às fotografias e assim tornar tudo mais enevoado.
então criamos capítulos de uma série fotográfica obscura, o crap noir.
costuramos um a um e fomos com eles participar da foto feira cavalete no fim de junho, no MIS.
uma viagem unir palavras e imagens e não fazer isso só.
avante noir, avante sonhar.

 

imagens_ Giovana Pasquini

e mais microcontos

no fim de maio fui selecionada para participar de uma feira de lambe-lambes.

havia 60 artistas mostrando seus desenhos, textos, xilos, estênceis, aquarelas. depois do prazer em colar a primeira série dos microcontos no parque da vila, estrear outra leva deles na red bull station foi, pra mim, como um abalo sísmico. desta vez não fiz colagens, mas convidei meu amigo Moralez para ilustrá-los.

é incrível poder ouvir e ver pessoas reagindo àquilo que você criou. é algo indescritível. é de corar o corpo todo.

colei todos aqui. a verdade é que quero colar na sua casa, na sua rua. quero muito e quero tanto. sou uma menina cheia de quereres, isso é que é.

 

microcontos visuais

minha série inicial de microcontos visuais: colagem sobre foto.
viraram lambes e estão no parque da vila. também fiz cartões postais deles e estão a venda.

e mais colagens estão a caminho!