lambendo na jornada

foi adiada mas aconteceu, e eu estava lá: a jornada de comunicação do IFSul teve lambe, teve sim. teve aluno de dentro do instituto, de fora, gente que veio novamente. depois teve roda de conversa, café, carinho, mineiros e paulistas, pessoas diferentes e únicas e interessadas e comprometidas em fazer, mudar, agitar, sair do lugar.

sacode a poeira, canta pra subir, desembucha, vai, não dorme de touca. a vida está passando e não pede permissão. a gente também não.

comida e colagem artesanal

a Socialista Morena quer informar aos seus leitores e quase meio milhão de seguidores que, além de exercer seu bravo jornalismo anticapitalista, vai complementar a renda como cozinheira e padeira artesanal.

ela me convida para ilustrar esse anúncio.

eu faço a colagem acima.

como diz ela, “operários da palavra têm que buscar outras fontes de sustento para sobreviver”. eu, também uma trabalhadora da classe, busco nas colagens mais que sustento. busco também um outro tipo de alimento.

leia aqui o comunicado da morena na íntegra.

 

gilete na alma

e dessa vez a oficina de lambe aconteceu no Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes, com participantes do programa Jovens Urbanos. além de falar de expressão, arte de rua e identidade, cada jovem criou um lambe-lambe para divulgar seu projeto final – o dessa turma intitulado gilete na alma.

vou lá para ensinar mas quem aprende sou eu – e isso, definitivamente, não é um clichê.