pinacotecando

Vamos que vamos, 2014 já está no retrovisor. Como foi o ano para você?

Eu conheci novos amigos, estudei fotografia e furei o pé numa pedra que resultou em dois doloridos pontos. Estive pela primeira vez num deserto. Gritei em jogos na Copa, viajei com minhas irmãs. Pratiquei yoga.Escrevi mensalmente esta padoca.

E você, qual sua proposta para o novo ano? Como vai se manter desafiado?

Aqui vão dicas finais para animar. Que nos animemos pensando no sol de janeiro, na praia, na cachoeira.

Viva o início de mais um ciclo!

 

Bem, eu já falei por aqui da Pinacoteca do Estado, um edifício lindo projetado por Ramos de Azevedo e reformado por Paulo Mendes da Rocha. O museu, especializado em arte contemporânea abriga até o começo do ano algumas exposições, as quais destaco três para você:

 

Ron Mueck

O artista australiano hiperrealista Ron Mueck se inscreve na tradição escultórica de representação da figura humana. Os temas, materiais e técnicas utilizados fazem dele um autor original, inovador e contemporâneo.

Mueck utiliza materiais como resina, fibra de vidro, silicone e acrílico para reproduzir fielmente cada detalhe da anatomia humana. Suas obras evocam uma espécie de realismo que é ao mesmo tempo íntimo e monumental. Em diferentes escalas, o artista amplia ou reduz muito o tamanho dos corpos para criar situações que movimentam o espectador.

A mostra vem a São Paulo após exposição no Museu de Arte do Rio de Janeiro e na Fundación PROA, Buenos Aires. É de surpreender. Não perca.

De 20.Nov A 22.Fev 2015

 

Cristiano Mascaro

A mostra Bom Retiro e Luz reúne um conjunto de 47 fotos em preto e branco realizadas nos anos 70 no bairro do Bom Retiro, onde está localizada a Pinacoteca. A série foi encomendada pela diretoria do museu entre 1975 e 1979, em um projeto com o objetivo de criar uma conexão com o entorno e trazer o bairro para dentro da Pinacoteca.

Como é tradicional na obra de Mascaro, as imagens são marcadas por altos-contrastes, instantâneos e composições geométricas que remetem à pesquisa do fotógrafo sobre a linguagem e tradição do fotojornalismo. Cristiano Mascaro é fotógrafo, arquiteto, professor e produziu fotografias clássicas de São Paulo. É sempre um prazer desfrutar de sua visão e interpretação da cidade.

De 29.Nov A 22.Fev 2015

 

Roberto Burle Marx

A exposição Roberto Burle Marx: uma vontade de beleza exibe cerca de 80 obras do artista, entre pinturas, desenhos, estudos, projetos, cerâmicas, vidros, joias e tapeçarias.

Burle Marx nasceu em São Paulo em 1909, filho de Cecilia Burle, uma musicista pernambucana, romântica e lírica, e Wilhelm Marx, alemão, objetivo e racional.

Desde muito cedo, o jovem artista se deixou hipnotizar pelas qualidades estéticas dos elementos da flora brasileira, que passaram a impregnar sua produção. É famoso por integrar sua obra paisagística à arquitetura moderna, experimentando formas orgânicas e sinuosas na elaboração de seus projetos. Além de artista renomado e reconhecido, seus jardins são sua expressão que mais me encanta. Quem já esteve em um projetado por ele sabe do que estou falando. Uma grande oportunidade para poder prestigiá-lo.

De 29.Nov A 22.Mar 2015

 

Pinacoteca do Estado, Praça da Luz, 2 – Estação Luz do metrô. Ingressos a R$6, grátis aos sábados.

 

Continuo toda ouvidos no padocacult@gmail.com. Escreva, faça um pedido. A vocês desejo um excelente ano, e que todos nós possamos ouvir mais uns aos outros! Namastê, saravá e hasta la vista, baby.

 

Imagem: Catraca Livre

havia uma bienal no meio do caminho

Foi num mês de Outubro do século XIX que a lâmpada foi inventada, há 135 anos. Foi neste mês também, em 1992, que 111 presos foram mortos na penitenciária do Carandiru, aqui em São Paulo. Este seria o mês de aniversário de Nietzsche e Picasso, se tivéssemos a sorte de tê-los ainda entre nós…

Para você, o que este Outubro vai trazer?

Se vier à sua cabeça a palavra diversão, espie aqui algumas opções:

 

Mario Testino – In your face – até 26 Outubro

Quer entrar em um mundo esteticamente belo, de glamour, sensualidade e sofisticação?

Venha ver as 122 imagens selecionadas pelo próprio artista. Mario Testino é um dos fotógrafos mais influentes do mundo, atuando fortemente na indústria da moda e beleza e conhecido por seus retratos de personalidades como Princesa Diana, Cristiano Ronaldo e Gisele Bündchen. É também conhecido por sua atuação em entidades como o Fundo Mundial de Monumentos do Peru (dedicado à preservação e proteção de sítios arqueológicos e históricos em extinção), Elton John Aids Foundation, Aid for Aids, Women to Women e outras.

A seleção de obras representa a ideia de uma coleção permanente tirada de um museu, onde diferentes artistas e gêneros estão expostos em conjunto.

Dos Rolling Stones a corpos esculturais clicados em Ipanema, um deleite garantido para seus olhos.

Vai lá: MAB – FAAP – Salão Cultural. Rua Alagoas, 903 – Higienópolis. Entrada gratuita.

 

Kings of Leon – 1 Novembro

Parte do festival itinerante Circuito Banco do Brasil, os garotos do Tennessee se apresentam em Novembro em SP, junto de artistas como MGMT, Skank, entre outros.

A banda de rock alternativo é composta por três irmãos e um primo. Sua música também é conhecida como Southern rock – fortemente influenciada pelo blues e pela country music. Tipo um rock caipira alternativo. Bem maneiro.

Onde? No Aeroporto Campo de Marte – Av. Santos Dumont, 1979 – Santana. Ingressos de R$ 125 a R$ 900.

 

31ª Bienal – até 7 Dezembro

Bom, fica até difícil escrever um texto que explique uma Bienal, mas vou tentar: o edifício – Pavilhão Ciccillo Matarazzo – projetado por Oscar Niemeyer e parte do complexo do Parque do Ibirapuera é por si só uma escultura modernista, um ícone da arquitetura brasileira tombado pelo Patrimônio Histórico.

Desde a sua primeira edição, em 1951, já foram produzidas 30 Bienais, com a participação de aproximadamente 160 países, 67 mil obras, 14 mil artistas e 8 milhões de visitantes.

Sua 31ª edição – Como (…) coisas que não existem – é assim descrita em sua página oficial: “uma invocação poética do potencial da arte e de sua capacidade de agir e intervir em locais e comunidades onde ela se manifesta. O leque de possibilidades para essa ação e intervenção está aberto – uma abertura que é a razão da constante alteração do primeiro dos dois verbos no título, antecipando as ações que poderiam tornar presentes as coisas que não existem. Começamos por falar sobre elas, para em seguida viver com elas, e então usar, mas também lutar por e aprender com essas coisas, em uma lista sem fim”.

Vários artistas, muitas nacionalidades, diversos suportes: fotografia, instalação, vídeo, cartaz, pintura, áudio, tapeçaria, texto, imagem, palavra: escolha um verbo – sentir, por exemplo – e deixe-se levar nessa viagem bienal. Se perder, em 2016 tem mais.

Pavilhão da Bienal – Av. Pedro Álvares Cabral, s.n – Parque Ibirapuera, Portão 3. Grátis.

 

Ainda não escreveu para o padocacult@gmail.com? Ande, abra seu coração.
(Imagem: 31a. Bienal)

geminicinecromatico

Enquanto escrevo este texto, a Argentina está jogando no Mané Garrincha, em Brasília, e está ganhando. Dependendo da combinação de resultados, pode enfrentar o Brasil na final da Copa do Mundo. Mas isso depende de uma porção de coisas, como tudo, enfim. A verdade é que não temos controle sobre nada – e o que importa é manter-nos em movimento. No caminho, aproveitemos para nos divertir – e aqui vão algumas dicas para você se deliciar.

 

osgemeos – A ópera da lua – até 16 agosto 2014

A dupla osgemeos é formada pelos irmãos Otávio e Gustavo Pandolfo, nascidos em São Paulo, onde vivem e trabalham. Com um estilo de desenho imediatamente reconhecível, eles começaram a grafitar no bairro do Cambuci e de lá tomaram o mundo – grafitaram um castelo medieval na Escócia, a fachada da Tate Modern em Londres e possuem trabalhos em cidades dos EUA, Alemanha, Cuba e por aí afora.

É muito interessante ouvir os dois falarem de seu trabalho e a forma que criam, unidos por ideias e inspirações que surgem em um e terminam no outro ou vice-versa, como se fosse apenas uma mente trabalhando.

A exposição atual reúne pinturas, esculturas e uma vídeo-instalação 3D. As obras são apresentadas em um ambiente imersivo, numa natureza fantástica que mistura elementos surreais, cores, sons e padrões.

Lembro-me de visitar sua primeira individual em São Paulo, realizada em 2006 na Galeria Fortes Vilaça e ficar boquiaberta. Eu já os observava pelos muros da cidade e fiquei tão impressionada que fiz um vídeo e um livro infantil com fotos de seus desenhos.

Hoje artistas pop, eles ainda mantém uma linguagem arrebatadora que te captura para uma viagem lisérgica e transformadora. Faça um favor para você: não perca.

No Galpão Fortes Vilaça – R. James Holland , 71. Grátis.

http://www.fortesvilaca.com.br

 

Abraham Palatnik – A reinvenção da pintura – até 15 agosto 2014

Esta é a maior mostra já realizada do artista, consagrado pela criação de obras marcadas pela fusão entre o movimento, o tempo e a luz.

Nascido em Natal (RN), filho de russos, Palatnik passou a infância em Tel-Aviv, onde fez curso de especialização em motores de explosão. Aos 20 anos, voltou permanentemente para o Brasil.

Hoje, aos 86 anos, o artista é um dos pioneiros e a maior referência em arte cinética no Brasil. Um fato que demonstra sua originalidade aconteceu em 1951, quando durante a I Bienal de São Paulo, a comissão internacional não sabia como qualificar sua obra Aparelho Cinecromático Azul e Roxo. Não era uma escultura, tão pouco uma pintura. Era algo que não se enquadrava nas categorias da Bienal. A solução encontrada para garantir o reconhecimento pelo trabalho original e inovador foi lhe dar uma menção honrosa.

Vai lá: MAM – Museu de Arte Moderna de São Paulo. No Parque do Ibirapuera: av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Portão 3. Entrada: R$ 6, gratuita aos domingos.

http://mam.org.brhttp://www.palatnik.com.br

 

Um olhar sobre Cuba – até 10 de agosto 2014

Fotografias, cartazes, livros e vídeos compõem a exposição, que apresenta um olhar específico sobre a política e a cultura de Cuba nas últimas décadas. A coleção particular passeia por diversos aspectos de vida do país, e constitui uma soma de olhares a partir do olhar de quem viveu por lá– a curadora Rose Carvalho morou em Cuba entre 88 e 89.

No MIS – Museu da Imagem e do Som. Av Europa, 158. Grátis.

http://www.mis-sp.org.br

 

Algo na cabeça? Fale com padocacult@gmail.com
(Imagem: Cotazeroblog)