nasce o club cola

fundei um clube.
o interesse comum é a colagem.
para associar-se haverá encontros, falas, rodas e oficinas. um dia, quem sabe, até exposições.
então que soem os tambores: sejam bem-vindos ao club cola. 

o primeiro encontro vai acontecer na Choque Cultural, a galeria que me acolheu desde o início. lá os encontros serão mensais, um sábado por mês até dezembro (veja todos os detalhes aqui). 
entretanto, o club pode colar em outros dias, em outros salões, em qualquer latitude. ele nasce inesgotável, essa é a verdade: é uma sociedade recreativa e cultural. é para ser leve, como leve pluma muito leve, leve,
pousa.

pousou e eu tô é feliz.

[logomarca criada pela querida vivi brandini que, como sempre, entende tudo logo de cara e arrasa]

 

colagem_ destino > madrid

a comunidade mujeres que cortan y pegan abriu uma convocatória para mulheres colagistas de qualquer lugar do mundo participarem de uma exposição coletiva em Madri e eu tive a felicidade de ser escolhida.
a exposição teve como tema a mulher (miradas en feminino) e aconteceu durante o Mulafest – festival de tendências e arte urbana, este ano em sua 7ª edição.
estar entre outras mulheres, em outro continente, num outro hemisfério fez meu sangue [latino] pulsar.

aqui compartilho a colagem selecionada e algumas fotos que surrupiei do perfil de las mujeres.

¡POR EL ARTE, POR LAS ARTISTAS, POR LAS MUJERES COLLAGISTAS!

 

lambendo na jornada

foi adiada mas aconteceu, e eu estava lá: a jornada de comunicação do IFSul teve lambe, teve sim. teve aluno de dentro do instituto, de fora, gente que veio novamente. depois teve roda de conversa, café, carinho, mineiros e paulistas, pessoas diferentes e únicas e interessadas e comprometidas em fazer, mudar, agitar, sair do lugar.

sacode a poeira, canta pra subir, desembucha, vai, não dorme de touca. a vida está passando e não pede permissão. a gente também não.