colando com marias

fim de abril, um outro mês se abrindo e os trabalhos continuam.

estive na MariaLab, coletiva hacker feminista e espaço de acolhimento baseado em políticas anti-opressão falando da tecnologia da colagem, mas não só. falamos da cidade como lugar de expressão, de arte e de diálogo. falamos dessa necessidade de intervir. de abrir, juntar, ouvir, ocupar.

ao final fico sempre com o sentimento de que tesoura, cola e papel podem tanto açucarar ideias quanto arrombar portões. a poesia corta e cura. arre, e eu que já nem sei de mim.

gilete na alma

e dessa vez a oficina de lambe aconteceu no Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes, com participantes do programa Jovens Urbanos. além de falar de expressão, arte de rua e identidade, cada jovem criou um lambe-lambe para divulgar seu projeto final – o dessa turma intitulado gilete na alma.

vou lá para ensinar mas quem aprende sou eu – e isso, definitivamente, não é um clichê.

expressão, cidade e identidade

esta semana estive no Jardim Lapenna, em São Miguel Paulista, para uma oficina de colagem e arte de rua com os educadores do programa Jovens Urbanos. este é um programa que propõe trabalhar processos de formação ampliada com a juventude e já foi reconhecido pelo MEC como exemplo de inovação e criatividade em tecnologia educacional.
até o fim do ano vão rolar outras oficinas, desta vez com os próprios jovens. e assim seguimos fortes e lutando com as armas  que nos cabem: imaginação, cultura e diálogo.

por uma cidade que tenha a nossa cara, avante.